Uma das alternativas encontradas pelos micros, pequenos e médios empreendedores são os cases de sucesso e reconhecidos por suas lideranças, pela inovação e pioneirismo. Essa é com certeza uma opção muito válida, afinal o ideal quando navegamos em mares desconhecidos é seguir o primeiro sinal de vida.

Mas como já dito e fazemos questão de frisar, os erros quando se é PME precisam ser evitados a todo custo e todo o cuidado e atenção são requisitos básicos nesse processo de pesquisa e criação.

Por tanto, vamos entender primeiro a diferença entre benchmark e concorrência, assim fica mais fácil de seguir no caminho considerado inovador.

O processo de benchmarking está na busca por referências ideais e de desempenho inovador em várias áreas que podem ou não compreender o mercado que a marca atua. A busca pelas melhores práticas leva em conta todas as definições possíveis de plataforma de marca, por tanto são também avaliados os parâmetros de essência, propósito, valores, personalidade e identidade.

A busca nesse processo pode ocorrer em diferentes direções, mas algumas são pré-definidas, como internas, ou seja, departamentais, as funcionais que focam nos processos, as competitivas que não necessariamente são os concorrentes diretos, mas aqueles que interferem no contexto do mercado e o cooperativo que é a troca de informações entre marcas parceiras. Lembrando que se trata de uma pesquisa superficial e nem sempre devem servir de regra ou modelo a ser seguido.

Já quando falamos de pesquisas de concorrência podemos focar diretamente naquelas em que a paridade é algo muito óbvio e claro, como Coca-Cola e Pepsi em que ambas são refrigerantes gaseificados a base de cola.

O primeiro passo de qualquer empreendimento é ter claro e mapeado quem são e como estão os players definidos como diretos.

Mas quando falamos de referência perfeita a definição está em entender qual é o propósito transformador e se encontra refletido e definido em toda a sua experiência e pontos de contato.

Num processo de inovação a referência perfeita inverte a visão para o consumidor e define seu posicionamento baseado em tendências, micros e macros, hábitos de consumo, códigos culturais e valores. Se seus referencias respondem a estes requisitos serão considerados ideais.

Mas vamos ter foco no propósito que temos como seres humanos e qual é a troca que estamos em busca cotidianamente.

Menos storytelling e mais storydoing, criar nosso parágrafo na história e marcar a vida daqueles que de alguma maneira interagiram com os nossos valores.

Sim, vamos juntos transformar o mundo em um lugar mais justo e equalitário para todos.

Muito obrigado e até a próxima.

Quer saber mais sobre BRANDING? Fale conosco!